Pular para o conteúdo principal

Parto no Rotunda

Olá pessoas,

Até que enfim apareceu a margarida, ehehe.

Faz 6 semanas que minha filhota nasceu e não tive condições de escrever aqui. Na verdade nem de escrever no meu diário.
SIM! Assim que fiquei grávida eu comprei um caderno lindo (cheio de corujinhas na capa) e registrava o que se passava na minha gestação. É um momento ÚNICO! E após o parto eu tento registrar o que posso.
Mas vamos começar a escrever o que eu propus: o PARTO.

Para vocês se situarem: desenvolvi pressão alta nas últimas semanas da gravidez. Descobri indo na consulta de rotina com a midwife (enfermeira/parteira). Minha pressão estava 150/100. Na hora ela pediu que eu fosse direto pra emergência do Rotunda. Dirigi até o hospital e logo me colocaram num box/cabine/quarto (todo equipado) e me colocaram um aparelho que a cada 5 minutos aferia minha pressão.
No mesmo momento eles verificavam os batimentos cardíacos da baby. Fiquei assim por 1 hora. Minha pressão não abaixava (pelo contrário). Me medicaram e continuaram a me monitorar. A pressão ficou 140/90, mas acharam melhor me internarem e ficar de olho em mim.
No outro dia me mandaram pra casa, porém eu deveria continuar com o remédio e deveria ir no Rotunda alguns dias depois para me avaliarem novamente.
Eu estava com 37 ou 38 semanas de gestação.
Voltei no Rotunda e a pressão não estava tão boa. Fiquei na salinha que eles chamam de DayCare durante umas 2 horas (com eles aferindo minha pressão de tempos em tempos). Após essas 2h a médica avaliou o meu caso e disse que seria melhor fazer uma indução do parto.
Ok! Marcamos pro dia 4 de abril...uma sexta-feira.
Poucos dias passaram (nesses dias eu corri pra ajeitar tudo o que precisava e comprar as coisas que faltavam pra chegada da baby) e logo chegou a tão ansiosa e assustadora indução do parto. Eu digo assustadora pq eu não sabia o que esperar  (apesar de fazer minhas pesquisas sobre o assunto).
Assim que cheguei ao Hospital (estava agendada para 7h30 da manhã) me encaminharam pra uma sala onde todas as mulheres estavam sendo induzidas.
 As 9h20 foram na minha cama e iniciaram o processo de indução  (introduziram o propess - tampão de prostraglandina). Eu senti somente um leve incômodo, mas eu andava livremente no Hospital.
A noite eu comecei a sentir dor, que eu achava que era cólica. Não tinha noção que seria já as contrações. Todas as mulheres na sala gritavam de dor e eu simplesmente não conseguia falar, muito menos gritar.
Conseguia menos ainda andar até o banheiro ou ficar em pé para lavar a mão. Tudo era doloroso demais e eu somente queria chorar de dor. Meu marido tentou pegar uma cadeira de rodas numa das vezes em que eu tentei ir no banheiro e lutava para andar. A enfermeira não deixou ele pegar a cadeira de rodas e disse que eu tinha que me movimentar.
OK! Só que eu não estava mesmo aguentando de dor e chamei a enfermeira. Ela sugeriu que começássemos a contar de quanto em quanto tempo vinha a dor. Eu não tinha noção e meu marido menos ainda. Aí ela colocou um aparelho na minha barriga pra monitorar as contrações  (mostrava quando a contração começava e sua intensidade) e os batimentos da baby.
O que descobrimos: a cada 1 minuto eu estava tendo contrações fortes. Por isso eu não conseguia saber quando começava e quando terminava. Eu estava sendo superestimulada, de acordo com que eles falaram.
Me examinaram e dilatação de 2 cm! Senhor amado...e precisa de 10 cm para baby nascer.
Na hora tiraram o tampão de prostraglandina. Depois vieram vários médicos me avaliar. Disseram que poderia ser caso de cesaria  (uma info: em caso de indução de parto a mulher tem 30% de chance de ter que fazer cesaria).
Me deram soro, me deram injeção nas costas e na barriga. E NADA! Contração forte...pressão subindo e subindo...batimento da baby disparado.
Quando a máquina que estava monitorando os batimentos da baby começou a apitar...entramos em pânico. A enfermeira veio na hora: o coração da baby estava desacelerando MUITO. Na hora chamaram a maca...acionaram o centro cirúrgico...trouxeram a roupinha "de bunda de fora" (rs) e colocaram em mim as meias brancas para evitar trombose. A maca logo chegou e quando eu vi estava na sala de cesaria com uma equipe de 7 ou 9 pessoas.
Meu marido não estava comigo, pois ele tinha que se trocar e higienizar as mãos para entrar na sala.
Cada um dos membros da equipe se apresentou e perguntava meu nome e se tinha alguém que iria acompanhar o parto.
Logo em seguida o anestesista explicou para mim o procedimento. Uma enfermeira segurou minha mão  (COITADA!) enquanto era aplicada a anestesia (raqui). O anestesista falava que eu primeiro ia sentir choque nas pernas, depois sensação de bumbum queimando. O meu marido só pode entrar depois que eu tivesse anestesiada (e o anestesista já tinha me falado isso).
Tudo foi relativamente rápido  (entrei era 3.13am...marido entrou 3.30am...baby nasceu 3.42am e fiquei 30min para "me fecharem".)
Não senti NADA! Somente eles puxando e repuxando minha barriga. Sensação super esquisita...e a sensação de quando tiraram a criança do meu ventre...não tem como descrever.
Confesso que SEMPRE tive medo do parto...mesmo querendo muito ser mãe. Já tinha assistido vídeos de cesaria muitos anos atrás e fiquei com muito medo de um dia eu ter que estar na maca sendo a paciente que seria submetida a aquele procedimento! Mas foi tudo bem mesmo.
Eu fiquei um pouco triste pq eu tinha um plano de parto que incluía o contato skin to skin imediato...além de demorarem pra cortar o cordão umbilical. Aqui eles "respeitam" bastante a vontade da mamãe durante o parto, mas no meu caso foi tudo tão inesperado e eu não lembrei de falar isso ao chegar na sala da cesaria.
Não foi nada disso...ela nasceu e logo levaram pra verificar ela...eu queria tanto vê-la e não conseguia virar minha cabeça e olhar onde ela estava. Depois de verificarem a trouxeram...mas pra mim foi uma eternidade. E quando a trouxeram mal consegui segurá-la, por conta da estrutura da maca que tinha acima do meu peito.
O problema maior é quando o efeito da anestesia passa. Aí vem uma dor que pra mim era absurda. A baby fica no quarto (coletivo) junto com você. Ninguém pode dormir com você no hospital (uma pessoa pode ficar com você das 8h30 as 20h30 e outras podem te visitar das 14h as 15h e das 18h30 as 20h...não tenho certeza mais desses horários de visita).
Pq eu estou falando disso? Pq eu estava com MUITA dor e a baby estava comigo durante a noite inteira...ela chorava e eu mal conseguia levantar da cama. Foi uma tristeza! Eu acho que ESSA foi a pior parte do pós parto. Em caso de cesaria alguém deveria dormir com você pra te ajudar.
E a midwife de plantão não ajudava? Sim! Mas ela ajudava um MONTE de gente...então muitas vezes eu tive que levantar da cama quase chorando de dor.
Eu tomava MUITO remédio  (pressão alta e de dor), além da injeção na coxa (pra evitar trombo). Mas a pior parte continua o de ficar sozinha com dor e a baby.
Eu fiquei 4 ou 5 dias internada por minha causa. A baby estava ÓTIMA, mas minha pressão não ficava normal. Me diga...dormindo pouco...com dor..como minha pressão vai voltar ao normal?
Quando fui pra casa eu fiquei feliz, mas SUPER estressada. No hospital não precisava me preocupar com limpeza ou comida! E já tinha me adaptado á cama e ao ambiente. Agora mudou tudo. A altura da cama era diferente. ..o berço onde a baby dormia...os quartos ficam upstairs. Ou seja..eu tinha que subir e descer escadas para chegar nos quartos de casa. Eu fiquei bem mal humorada no começo. E a dor era demais.
As primeiras semanas foram difíceis, mas agora eu já me adaptei e eu e a baby estamos nos conhecendo cada vez mais. Ela dorme melhor (ainda acordo muito) e agora tem o problema da cólica (comum após 2 semanas de vida e pode ir até 3 ou 4 meses).
Deixe me falar sobre o acompanhamento pós parto: cheguei em casa na quarta, no sábado veio a midwife, na terça a segunda visita e no outro sábado veio a public nurse. Todas as enfermeiras pesaram a baby, falaram sobre amamentação, me perguntavam como eu estava (preocupadas se eu estava me sentindo deprimida ou algo do tipo), deram dicas importantes.
Depois da alta hospitalar eu fui várias vezes no Rotunda (daycare) para verificarem a pressão e eles sempre muito atenciosos. A baby está com 8 semanas e eu ainda estou fazendo uso de medicamento pra pressão alta.
Com 2 semanas de vida a baby foi no GP para ele verificar o peso e o estado de saúde geral da baby.
Com 6 semanas fui novamente no GP, que verifica novamente a baby e verifica também a saúde da mãe. Parece que agora tá normalizando minha pressão, pois a dose do medicamento foi reduzida.

Escrevo mais assim que der! Agora encerro por aqui. Tenho que cuidar da baby.

Comentários

  1. Parabéns pela bebê! Muito obrigada pelo relato do parto e dos cuidados do governo com as gestantes/mamães recentes.
    Muita saúde para vocês duas e continua compartilhando os relatos de maternidade :)
    Cheguei faz 10 dias e seu blog tem me ajudado bastante, especialmente as postagens do teu começo por aqui!
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lara. Welcome. Se precisar saber de algo que eu nao abordei...me de um toque.

      Excluir
  2. Pessoas...desculpe os erros e redundâncias no texto. Eu escrevi no celular e amamentando a pequena. Preciso rever o texto pra melhorar e corrigir os erros de português.
    Continuarei a postar mais sobre o andamento e próximos passos após er o bebê...como por exemplo a certidão de nascimento, o pedido de child benefit, o pedido de medical card para o bebê e assim por diante.
    Caso tenham algum assunto que não abordei em nenhum post e que gostaria de saber...me dêem um toque.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Reconhecimento de nutricionista na Irlanda

Olá pessoas, Hoje recebi a notícia que finalmente sou considerada Dietitian na Irlanda. Aqui é diferente do Brasil. No Brasil ter um diploma de Bacharel em Nutrição bastaria para você atuar em qualquer area escolhida. Aqui na Irlanda para você ser considerada uma nutricionista cliclín tem requisitos. Eu estou tentando o reconhecimento desde que cheguei em 2014. Na época o reconhecimento era feito pelo Departamento de Saúde. Eu enviei uma caixa (sim! Uma caixa de documentos em português e traduzido). Dentre os documentos se encontravam meus diplomas: bacharelado em Nutrição, Especialização em Nutrição Clínica, Mestrado e Doutorado em Alimentos e Nutrição e TODAS as ementas de cada uma das matérias feitas de todos os cursos. Haja papel! Só o formulário dava mais se 20 páginas depois de preenchido. Além disso eu tive que ser entrevistada por uma banca de dietitians. Acha que basta???? NÃO! Depois de passar por tudo isso...o processo de reconhecimento MUDA e o orgao

Creche na Irlanda - é de graça?

Olá pessoas! Não paro de me desculpar pela ausência. Mas é bem difícil administrar casa, bebê, trabalho, e blog. Depois de meu baby nascer eu comecei a me interessar e mergulhar no mundo infantil da Irlanda. E um dos assuntos que tenho pesquisado é CRECHE. Quando eu engravidei eu trabalhava full time (tempo integral) e cada dia e semana eu trabalhava em horários diferentes. Ou seja, não tinha uma rotina! Como iria fazer com bebê em casa? Meu marido também trabalha full time e em horários "loucos". Confesso que fiquei desesperada! Afinal, só o salário do meu marido não pagaria todas as contas. Então comecei a procurar as creches mais perto de casa e fui visitá-las. Não tinha ideia do preço, nem de horário de funcionamento, nem das estruturas da creche e muito menos das atividades e peculiaridades. Tem muitas creches onde eu moro, mesmo sendo uma cidade pequena. Não é de se espantar, já que o que não falta nesta Irlanda é crianças!!!! Fiquei assustada co

Como não gastar muito no enxoval do bebê na Irlanda

Olá pessoas, Acredito não ter mencionado em post anterior, mas estamos esperando nossas segunda filha. Para ser exata essa semana estamos com 32 semanas. A cesaria esta agendada para dia 26 de setembro e até lá o enxoval tem que estar pronto não? Entao, como não gastar muito e deixar tudo pronto? Aqui na Irlanda mercado de produtos usados é bem forte. Tem coisas muito boas com preço muito em conta. E onde pode-se comprar produtos usados ou mesmo conseguir doacao? Adverts.ie Donedeal.ie Marketplace no Facebook Comunidades de mães brasileiras na Irlanda no Facebook Amigas Além de produtos usados há muitas coisas boas que são doadas e nesses mesmos canais onde se compra produtos usados. Além disso, converse com as amigas que tem filhos sobre o que você precisa. Muitas podem te doar, vender ou emprestar. Deixe eu exemplificar, eu queria muito nos primeiro meses dessa segunda bebê usar o berço que meio que se acopla na cama (no caso o berço se chama Nex